17 de ago de 2013

Prefiro quando está de moletom

Postado por LUIZA às 18:08
Tentar mascarar um esteriótipo criado por apenas você em sua plena solidão de domingo, é algo que causa certo conforto, mas sempre nos engana. Afinal, está escondendo toda aquela ideia que possuía de alguém, mesmo sendo uma ideia sua, nem sempre baseada nos reais fatos.
A máscara, nesse caso, é um simples moletom. Na verdade é um moletom diferente, com uma estampa que não vem ao caso citar, justamente porque a tal estampa revelaria quem é ele/ela (HA). Mas, voltando ao assunto, o moletom tem o incrível poder de dar um ar, de dar uma perspectiva que joga no fundo da lixeira tudo o que já tinha estipulado para a tal pessoa. Eu me esqueço das coisas horríveis e estranhas que ele já falou, e de todas as más impressões que me deixou. Sim, um moletom.
Uma peça de roupa que consegue transpor toda aquela pose de macho, de foda, de poder, de o-cara-mais top-da-faculdade e o deixa na lista de "caras fofos que nos encantam". Mas não é real !
Basta colocar uma regata, deixando seus braços fortes aparecerem, suas tatuagens à mostra, um óculos de sol e PA, morreu tudo. Toda aquela fofura do moletom foi jogada na guia da calçada.
Tudo porque uma roupa que demonstra que a pessoa está com frio, uma roupa que possui um capuz (eu, particularmente, acredito que o capuz traz um charme a uma blusa), uma roupa mais grossa. Já imagino ele sendo carinhoso, ele tomando café, ele com as mãos para dentro da blusa, ele resfriado e ele-ideal.
Ainda bem que parei de acreditar que ele é demais pra mim.
E não foi preciso muita coisa pra perceber isso, bastou algumas broncas e um desligamento de alguns preceitos do romantismo ilusório.
O caso é: o ele-ideal não existe.
O moletom que criou tudo isso.
Um sorrisinho dado em pleno corredor pode dar uma amolecida em alguns detalhes que já estavam na parte de esquecimento da minha ingênua mente, mas o principal é que não vai ser como era antes.
Ele pode ser fofo as vezes, revelar umas atitudes que o tiram da vaga de "gente clichê", as quais não me agradam muito, mas ele insiste em voltar pra lá sempre.
Demorou pra eu tirar certas conclusões, e dependendo do meu estado no ciclo menstrual, pode ser que eu caia na bolha mais uma vez.
Além do mais, mesmo ele sendo ele mesmo quando está de regata, prefiro quando está de moletom.

0 comentários:

 

Luiza Wonderland Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos